Biópsia (procedimentos).

 

A chave para um tratamento apropriado e um prognóstico preciso, é a realização de de um diagnostico acurado. Este pode ser alcançado, em grande parte dos casos, apenas por procedimentos simples como biópsias e avaliação histopatológica.

 

 

Técnicas de biópsia

 

O material para exame histopatológico pode ser obtido a partir de várias técnicas, são elas:

 

Biópsia incisional

 

  • É um método pré-operativo onde são retiradas amostras do tumor.

  • É indicada se o tipo de tratamento (cirurgia versus radiação versus quimioterapia) ou a extensão do tratamento (ressecção conservativa versus agressiva) possam ser alterados com o conhecimento do tipo tumoral.

  • A biópsia é incisional é particularmente importante em casos onde ocorre difícil acesso cirúrgico para reconstrução, como por exemplo, extremidade distal, cabeça e pescoço, ou se os procedimentos propostos significam morbidade (maxilectomia ou hemipelvictomia).

  • Útil em pacientes em que a anestesia geral, necessária para procedimentos excisionais, pode resultar em alto risco de complicações.

  • São tipicamente usadas em pacientes com grandes massas que são difíceis de serem retiradas por inteiro.

 

Instrumentos necessários

 

O Punch ou saca bocado ou saca bocado de 4 a 6 mm: Utilizado em lesões que envolvam a epiderme e derme, não é ideal para lesões em panículo e subcutâneo e úlceras. Biopsiar com este material apenas a área lesionada e não a interface entre área sã e lesionada (ver também dermatohistopatologia).

 

Bisturi: Indicado em casos de lesões ulceradas, lesões grandes e lesões localizadas em panículo, subcutâneo. A amostra obtida para realização do exame histopatológico precisa ser manuseada delicadamente para evitar artefatos induzidos. Evitar o uso de eletrocautério e pinçamento da amostra. Encaminhamento com histórico pertinente e exames complementares.

 

 

Biópsia guiada por imagem

 

A coleta de espécimes de biópsia profunda de tecidos guiada por ultra-som mostra-se um método prático, seguro, e fácil de se realizar na prática veterinária. O método pode indicar com precisão, um foco ideal para avaliação histopatológica de uma determinada lesão, além de poder ser realizado em ambiente ambulatorial. Diz-se passível de ser submetida à biópsia guiada por ultra-som, qualquer massa sólida, ou com áreas sólidas, que permitam a passagem de ondas sonoras, localizadas em cavidades corpóreas (torácica, abdominal, pélvica), musculatura esquelética, subcutâneo e pele. Da mesma forma, a fim de se direcionar um estudo detalhado da estrutura parenquimatosa de órgãos sólidos, tais como, fígado, rins e próstata.

 

Qualquer paciente pode ser submetido à biópsia guiada por ultra-som desde que aptos à sedação ou anestesia, e que apresentem eritrograma e contagem de plaquetas normais.

 

O material utilizado para este propósito, além do aparelho de ultra-som, inclui instrumentos e material para sutura de pele, frascos e formol 10% para acondicionamento dos espécimes coletados e, geralmente, agulha do tipo Tru-Cut de 14 a 16 Gauge. O comprimento da agulha varia de acordo com a profundidade da área a ser biopsiada. O procedimento não requer cuidados nosocomiais e o paciente pode liberado na data da coleta.

 

Finalmente, a técnica pode ajudar na coleta de fragmentos em lesões ósseas, detectando “janelas” na superfície óssea que são utilizadas na intenção de se obter material representativo.

 

O que fazer com a amostra de biópsia

As amostras devem ser fixadas e acondicionadas como descrito anteriormente nos procedimentos básicos de envio. Amostras obtidas de diferentes áreas ou órgãos devem ser colocadas em frascos distintos, e devidamente identificados, para serem analisadas separadamente pelo Patologista. Esse procedimento assegura que o Clínico  / Cirurgião tenha informações mais específicas, e escolha a melhor conduta para cada afecção. Para avaliação da margem cirúrgica faz-se necessário o envio da peça inteira, ou de fragmentos da peça e das margens. Neste caso os fragmentos de magens devem ser acondicionados em conteiners separados e identificados. Se os fragmentos das margens forem acondicionados no mesmo frasco podem ser marcados com fios de sutura, ou tingindos com tintas específicas em cores variáveis.

 

 

Biópsia excisional

 

  • É um método onde o tumor é retirado por completo.

  • Útil quando o tipo tumoral não muda o tratamento ex: lobetomia pulmonar de uma massa solitária.

  • Útil em massas pequenas onde a ressecção cirúrgica com margem livre é fácil, e o tratamento torna-se curativo

Biopsia endoscópica

 

  • Usada em lesões superficiais do trato gastrointestinal, respiratório e urinário baixo.

  • É uma técnica conveniente de bom custo benefício e geralmente adequada, porém pode ocorrer inadequada representatividade e visualização devido ao tamanho limitado da amostra, quando comparado com outras técnicas.

Biopsia via laparoscopia

  • A melhor indicação é quando os procedimentos clínicos e exames complementares anteriores sugerem doença inoperável ou difusa

Histopet - Patologia Veterinária             Horário de funcionamento: Seg a Sex das 08:00 ás 18:00 e Sáb das 09:00 a 12:00

 

                                                                                       © Copyright 2018. www.histopet.com.br